Saiba como calcular a prestação de financiamento imobiliário

Saber o que compõe a prestação do financiamento imobiliário é fundamental no momento de escolher por uma instituição financeira

Para calcular a prestação de financiamento de imóveis é necessário entender que a sua composição está além da amortização e dos juros. Seguros diversos e uma taxa administrativa mensal são dois exemplos de custos referentes ao empréstimo imobiliário.

Confira o post abaixo da Melhor Taxa e saiba mais sobre os componentes de um financiamento!

Como funciona um financiamento?

O primeiro passo para se adquirir um financiamento imobiliário é escolher alguns imóveis de sua preferência. Com isso, obtém-se os valores dos empreendimentos que possivelmente serão financiados pela instituição financeira. É de se esperar que uma pequena diferença no valor de cada imóvel influencie diretamente nas taxas durante a quitação da dívida.

 

Tendo esses dados em mãos, o consumidor conseguirá fazer uma simulação de financiamento junto aos credores contactados — um serviço que nós, da Melhor Taxa, também fazemos para você. Nessa etapa, a pessoa interessada em adquirir um imóvel terá o levantamento de todos os valores envolvidos em uma eventual operação de empréstimo imobiliário.

Valor total da prestação, taxa de juros e encargos financeiros são exemplos do que o simulador de financiamento imobiliário pode mostrar. Com tudo isso em mãos, o consumidor deverá apresentar os documentos requisitados pelo credor — além de, claro, comprovar a sua renda — para ter o crédito liberado.

 

A documentação, inclusive, pode ser uma etapa um tanto quanto burocrática — afinal, as instituições de crédito buscam correr o menor risco possível quanto a inadimplência em operações desse tipo. No entanto, com tudo certo, o montante não deve demorar a ser liberado, e o consumidor, enfim, conseguirá comprar o seu imóvel.

O que compõe o valor de um financiamento imobiliário?

É importante saber, desde o princípio do processo, que, para calcular a prestação de financiamento, diversos compostos são considerados — ou seja, não é apenas o montante emprestado e as taxas de juros em cima disso. Nesse sentido, confira abaixo os quatro principais fatores que influenciam no custo de um financiamento:

1- Amortização

Basicamente, a amortização consiste na devolução do montante emprestado pelo banco. Mesmo com um pagamento a prazo de 30 anos, ao final, os números do percentual da parcela referentes à amortização serão os mesmos concedidos pela instituição financeira no ato do empréstimo. Pode-se afirmar que, em vários casos, a maioria do total gasto no financiamento é com a amortização.

Para quitá-la, o cliente pode escolher entre os sistemas de amortização disponíveis no mercado financeiro. Com o Sistema de Amortização Constante (SAC), o valor das prestações diminuem conforme passa o tempo, enquanto no sistema Price a parcela é a mesma até o final. Há ainda o menos utilizado SACRE, que, no caso, é crescente.

2- Taxa de juros

A taxa de juros de financiamento pode ser considerada como o custo cobrado pela instituição financeira em relação ao ato de emprestar dinheiro ao mutuário. Caso a parcela de quitação fosse composta apenas pela amortização, o credor, com certeza, perderia dinheiro devido a inflação.

 

Para calcular a prestação de financiamento, os juros é um dos componentes mais importantes. Se não for a amortização, será essa taxa o maior gasto do consumidor com um empréstimo.

 

Por possuírem diversas empresas de crédito na concorrência do mercado, as instituições financeiras, a partir de análises, decidem se aumentam ou diminuem o valor de suas taxas. Assim como qualquer outro produto, os juros sofrem alterações com inflação.

3- Seguros

O seguro de danos físicos ao imóvel é cobrado pelos credores para cobrir qualquer dano físico causado ao bem imobiliário — que, no caso, altere o valor do mesmo. Mesmo sendo um percentual pequeno, faz-se a diferença na prestação.

Da mesma forma há o Seguro de Morte e Invalidez Permanente (MIP), que garante ao credor o resgate do valor emprestado em caso de morte ou mesmo invalidez do mutuário. Por lei, este seguro é considerado com contratação obrigatória.

4- Outros custos

Antes de contratar um financiamento imobiliário, é fundamental estabelecer um planejamento que não faça o mutuário ter de se apertar tanto com as contas. Isso é importante pois, mesmo com todos os gastos citados acima, há alguns outros custos envolvidos que podem pegar o consumidor de surpresa.

 

A taxa administrativa do financiamento, por exemplo, costuma ser em torno de R$ 25 ao mês do bolso do mutuário. Nesse caso, o gasto é quase mínimo — se comparado ao resto do processo —, mas isso é apenas uma demonstração de que um financiamento ainda pode conferir outros custos à você.

 

Exemplo: caso haja algum problema na documentação e tenha de ser feito alguma emissão, os custos ficam totalmente a cargo do consumidor.

Como adquirir juros mais baixos para o meu financiamento?

Em um financiamento imobiliário, não há como escapar do valor da amortização — afinal, sem o montante emprestado não é possível adquirir o imóvel. Nesse caso, para diminuir ao máximo os gastos com a compra da casa ou apartamento próprio, a melhor opção é conseguir uma taxa de juros mais vantajosa — e isso a gente faz para você!

 

Ao responder um formulário presente em nosso site, conseguimos a melhor taxa do mercado para o seu perfil. Basta solicitar um financiamento de imóvel para que possamos dar início ao processo!

 


  • prestações
Compartilhe
Veja Também