Qual sistema de amortização irá melhorar a dívida?

Conheça as vantagens de optar por um sistema de amortização e reduzir o número de parcelas do seu financiamento e se livrar logo das dívidas!

Ao dar entrada no financiamento de um novo imóvel, muitas vezes, suas prestações podem levar mais de dez anos para serem quitadas por completo. Por esse motivo, no meio do caminho, muitos brasileiros optam pelo sistema de amortização, com o intuito de reduzir o saldo devedor e quitá-lo mais rapidamente.

Mas, o que é amortização? Segundo o diretor de operações da Melhortaxa, Rafael Sasso, “quando uma pessoa adquire um empréstimo, ela se compromete (...) em pagar juros (...) e devolver o valor que pegou emprestado”.

Saiba melhor como funciona esse processo e aproveite para contratar nossos serviços!

O que é a amortização extraordinária

A amortização extraordinária pode ser feita a qualquer momento e quantas vezes o cliente desejar durante o financiamento. Nesse caso, só será preciso ter em mãos uma quantia de dinheiro para poder antecipar o pagamento de parte da dívida e reduzir seu valor ou o número de prestações.

Considere a seguinte situação: você conseguiu juntar parte de sua renda mensal por 12 meses e teve direito a sacar o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). A partir desses pontos, é possível ir até a instituição bancária que lhe concedeu o crédito e solicitar o serviço.

Nesse momento, a amortização de financiamento pode ser feita de duas maneiras: pela redução do número de parcelas ou diminuindo o valor de cada uma. Conheça, a seguir, as principais diferenças entre elas!

Redução do valor das parcelas

Por meio dessa opção, o devedor terá a oportunidade de diminuir o valor de cada parcela do financiamento, sem reduzir seu número. Contudo, antes de optar por esse recurso, lembre-se de consultar os juros mensais e se sua situação financeira atual permite o uso dessa renda extra.

Considere a seguinte situação:

  • um financiamento imobiliário de R$ 500 mil é formado por 240 parcelas de, aproximadamente, R$ 2.083, somadas aos juros, seguro e demais taxas administrativas;
  • ao amortiza-lo, você consegue quitar 20% do seu valor final, ou seja, R$ 100 mil;
  • com isso, o saldo devedor passa a ser de R$ 400 mil,
  • dividindo esse montante pelo número de parcelas, mensalmente, você passará a pagar apenas R$ 1.666 + juros e taxas.

Redução da quantidade de parcelas

Nesse segundo caso, você consegue usar suas economias para quitar o máximo de parcelas possíveis do financiamento e diminuir o prazo para terminar de pagar as restantes. Por meio desse método de amortização de empréstimos, a cobrança das taxas e juros decorrentes do período que não existirá mais, será automaticamente anulada.

Exemplificando a situação, considere:

  • um financiamento habitacional possui um saldo devedor de R$ 480 mil a ser quitado em 240 parcelas de R$ 2 mil + juros e taxas administrativas;
  • considere que o montante que você tem em mãos corresponde ao valor de 20 parcelas, ou seja, R$ 40 mil;
  • dessa forma, o valor final da dívida passará a ser de R$ 440 mil somado às demais taxas e impostos a serem pagos em 220 prestações,
  • com isso, as taxas de juros referentes aos 20 meses finais que se tornaram inexistentes, será cancelada.

O uso do FGTS na amortização extraordinária

Você sabia que é possível usar o FGTS como importante aliado no momento de amortizar as parcelas do seu financiamento? Caso sua propriedade tenha sido adquirida pelo SFH (Sistema Financeiro da Habitação), você só precisa se adequar a algumas normas e poder aproveitar esse benefício. Confira!

  • O Fundo de Garantia só poderá ser usado a cada dois anos na amortização. Contudo, durante esse período, nada impede que você diminua o valor do seu financiamento fazendo uso de outra fonte de crédito, como a caderneta de poupança;
  • Antes de dar entrada no processo, separe toda a documentação necessária. Isso inclui RG, extrato do FGTS atualizado, declaração do Imposto de Renda, carteira de trabalho sob regime CLT, dentre outros papéis;
  • Nenhum financiamento feito pelo SFH precisa estar em seu nome no Brasil;
  • O financiamento a ser amortizado precisa estar no nome do solicitante que dispõe do recurso,
  • É preciso ter trabalhado com registro em carteira, no mínimo, três anos não consecutivos.

Vantagens de amortizar seu financiamento

São muitas as vantagens de fazer um sistema de amortização e conseguir quitar parte de suas dívidas. Conheça algumas delas:

  • o valor total a ser pago diminuirá consideravelmente dependendo da situação. Por exemplo: caso ainda falte R$ 300 mil para ser quitado e você amortize R$ 50 mil de uma vez, o saldo devedor será de R$ 250 mil;
  • caso as prestações continuem com o mesmo valor, o prazo para quitá-las irá diminuir;
  • dependendo da situação, é possível manter o número de parcelas mediante redução de valor em cada uma,
  • de acordo com a quantia amortizada, o seguro por morte ou invalidez permanente (MIP) terá um decréscimo no valor.

Agora que você já sabe como diminuir o valor das parcelas de um financiamento imobiliário por meio de amortizações, faça um cadastro no site da Melhortaxa de forma gratuita. Assim, você receberá uma assistência completa dos nossos especialistas que irão traçar seu perfil e descobrir quais instituições possuem os melhores juros de financiamento!

Compartilhe
Veja Também