Com o baixo valor da taxa Selic, crédito imobiliário ganha força

Saiba como o valor da taxa Selic interfere diretamente no processo de financiamento imobiliário!

Após a última reunião feita pelo Copom (Comitê da Política Monetária) no início de agosto, o Banco Central do Brasil (BCB) decidiu manter a taxa Selic em 6,5%. Tal valor está em vigência desde março após ser feito o 14º corte consecutivo nesse índice considerado importante para o mercado imobiliário.

A decisão pegou o mercado de surpresa pois, segundo estimativas do Boletim Focus, esperava-se reduzi-la a 6,25% por conta dos baixos índices inflacionários. No entanto, como o valor da taxa Selic pode influenciar a decisão de comprar um imóvel por meio de um financiamento com menores taxas de juros?

?

O que é a Selic?

A taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é usada no Brasil durante o financiamento que demanda operação todos os dias. Uma de suas principais funções é regularizar a emissão de títulos públicos, bem como todos os seus trâmites de compra e venda.

Sua criação pelo Banco Central ocorreu em 1979, quando havia a necessidade de proporcionar mais segurança durante a negociação de títulos públicos a nível federal. O maior índice já registrado em sua história foi de 115.334,03% em dezembro de 1989, no ápice de um período mega inflacionário da economia brasileira.

Quando o Plano Real foi criado, em 1994, a taxa de juros Selic enfrentou períodos de altos e baixos índices, sendo o menor registrado no fim de 1997, quando atingiu 1%. A partir daí, seus índices começaram a disparar consideravelmente e chegaram a 45% nos últimos meses de 1999.

Na década de 2000, seus índices permaneceram acima de 10% até meados de 2009, quando, após mais de 12 anos, registrou valores em torno de 9%. Mas, tal porcentagem não conseguiu se manter com o início da crise econômica atual, e chegou a marcar 14,25% entre julho de 2015 e outubro de 2016.

Acompanhando a recuperação da economia brasileira, desde o fim de 2016 até março deste ano, foram realizados 14 cortes consecutivos na Selic, melhorando as condições para se financiar um imóvel. A taxa Selic hoje, com o valor fixado em 6,5% — o menor desde 1998 — tem sido uma importante aliada no reaquecimento do mercado imobiliário.

Como a redução na taxa de juros vai impactar no financiamento da casa própria?

Segundo Rafael Sasso, co-fundador da Melhortaxa, os juros cobrados pela aquisição de um imóvel baixaram e o crédito imobiliário voltou a crescer por conta da redução do valor da taxa Selic. Ele afirma que “as quedas dos juros permitiram que o brasileiro fosse capaz de comprar, com a mesma renda, até 40 m² a mais em algumas cidades”.

Os motivos disso acontecer é porque os bancos e demais instituições financeiras do país passaram a oferecer melhores condições de financiamento imobiliário. Dessa forma, mediante a queda dos juros, o solicitante consegue obter créditos maiores.

Assim, a renda do cliente é valorizada e os limites para o valor da parcela aumentam. Como se sabe, a queda da Selic pode levar a redução das taxas de juros cobradas pelas instituições. Assim, aumenta-se a capacidade de compra dos brasileiros e, consequentemente, seus investimentos no mercado imobiliário.

Para se ter uma ideia de como os juros interferem diretamente em um financiamento do novo imóvel, considere a seguinte situação:

  • uma família que terá um novo bebê decide mudar para um apartamento com dois dormitórios;
  • o apartamento em questão possui um valor de mercado maior em relação ao limite de crédito concedido pelas instituições,
  • como a Selic teve uma grande queda, agora ficou muito mais fácil pesquisar e encontrar o melhor financiamento a uma taxa adequada para a compra desse apartamento. Contratando os serviços da Melhortaxa e contar com uma assistência completa e gratuita pode ser uma boa opção nessa situação.

Vale ressaltar que a relação entre o preço dos imóveis e as melhores opções de crédito imobiliário está estável, pois as taxas não estão caindo mais com previsibilidade. Prova disso é a recente ampliação para R$ 1,5 milhão do valor máximo de financiamento fazendo uso do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Por isso, o momento é favorável na aquisição de um imóvel financiado. “Como não se pode mais prever a queda nas taxas a curto prazo e levando em conta o atual preço, o final do ano é uma ótima oportunidade para fazer uma aquisição imobiliária por meio de um financiamento”, explica Sasso.

Aproveite a queda de valor da taxa Selic e dê entrada no financiamento do seu novo imóvel com a ajuda da Melhortaxa. Contratando nossos serviços de forma gratuita, você receberá toda a assistência necessária e iremos traçar seu perfil para saber qual instituição possui as menores taxas do mercado. Faça já uma simulação!

Compartilhe
Veja Também