Qual é o impacto da taxa de juros no financiamento?

Entenda o impacto da taxa de juros de financiamento

A taxa de juros de financiamento é um dos componentes que mais influenciam no valor total pago em um empréstimo imobiliário. Cobrada mensalmente do cliente, a taxa efetiva é um dos tipos de juros envolvidos no processo de financiamento e que, certamente, causam impacto no bolso do consumidor. Entender o impacto da taxa de juros de financiamento pode ser interessante para saber quão valioso é ter um valor amplo para dar de entrada e, consequentemente, financiar o menor montante possível da compra do imóvel. Confira o post abaixo!

Antes de qualquer coisa, entenda o que é o período de capitalização

Em relação ao montante emprestado pelo credor ao mutuário, esse contrai uma dívida em que todo o crédito deverá ser devolvido ao longo de um determinado número de parcelas — podemos chamar essa quantia de saldo devedor. No início da quitação de, por exemplo, um financiamento imobiliário, o consumidor deverá ao seu credor o exato montante que adquiriu emprestado. No entanto, devido à inflação, o dinheiro se desvaloriza ao longo do tempo, e, para impedir que os bancos percam dinheiro com isso — sem entrar no fator “lucro” —, as taxas de juros são cobradas. Aplicadas mensalmente, elas incidem no saldo devedor, somando-se à amortização e aos outros encargos para compor a prestação. Todos esses componentes na prestação do financiamento somam a capitalização — que, por definição, é o acúmulo de capital. Portanto, o período de capitalização da taxa de juros se dá mensalmente, visto que ela incide na parcela da compra a cada pagamento.

Os diferentes tipos de taxas de juros em um financiamento

Quanto às taxas de juros de um financiamento, no entanto, existem três tipos que estão mais presentes nessa modalidade de crédito. A primeira é a taxa nominal, bastante utilizada no mercado financeiro, que consiste em uma taxa de juros com unidade referencial de tempo diferente do período de capitalização em questão. Por exemplo: a taxa de juros ao ano de um financiamento é, na verdade, uma taxa nominal, pois, nessa modalidade, a capitalização é feita mensalmente. Os juros em que os períodos de acúmulo de capital e a tempo referencial se coincidem são chamados de taxa efetiva — em um empréstimo imobiliário, tal taxa é o valor do juros ao mês. Dos juros de financiamento em que o consumidor tem contato frequente, a taxa nominal e a taxa efetiva são as mais presentes no seu planejamento financeiro. No entanto, os bancos ainda contabilizam a taxa real, que serve para apurar os ganhos do credor na operação de crédito. Para efeito de comparação entre os valores praticados entre duas instituições, há ainda o CET (Custo Efetivo Total). Mesmo não sendo, de fato, uma tarifa incluída na parcela de quitação do financiamento, ele é a taxa que considera todos os encargos e despesas presentes no empréstimo — mostrando ao consumidor o custo total da operação em questão.

Como a Selic influencia na taxa de juros de financiamento?

A Selic é a taxa básica de juros do Brasil, administrada pelo Banco Central e que serve como referência para todo o mercado financeiro em relação aos juros praticados. No entanto, além de ser fator referente, ela também pode ser considerada como um instrumento controlador — principalmente, da inflação dos mercados. Caso a Selic suba, a probabilidade é que a taxa de juros de financiamento também siga o mesmo caminho é grande — da mesma forma que o contrário pode acontecer. Sendo um dos maiores mercados da economia brasileira, não é incomum o movimento da Selic alterar o funcionamento do ramo imobiliário.

Como a taxa de juros de financiamento é determinada pelas instituições credoras?

Mesmo com a Selic sendo um referencial para todo o mercado financeiro, a taxa de juros de financiamento possui outros fatores importantes que influenciam na forma como ela é alterada. Sendo o “preço” cobrado pela instituições financeiras pelo simples ato de empréstimo, elas são, basicamente, mais um produto do mercado. Caso não fossem, é provável que todos os juros de empréstimo entre as empresas que trabalham com crédito fossem iguais. Para estabelecer uma forma de como calcular juros de financiamento, primeiramente as instituições financeira analisam o mercado — leia-se: os concorrentes — para conseguirem se posicionar de forma competitiva, assim como é feito com qualquer outro produto de qualquer outro mercado.

Enfim, qual a composição de uma parcela de financiamento?

Além da taxa de juros de financiamento, um financiamento imobiliário também é composto pela amortização e por outros encargos, como seguros e a taxa administrativa. Como dito anteriormente, os juros são apenas o preço pelo empréstimo, ao qual é devolvido em forma de amortização. Dependendo do sistema utilizado para quitar essa parte, as primeiras parcelas do financiamento podem conter uma porcentagem maior referente a amortização — ou mesmo aos juros. Ainda há os seguros que resguardam o credor quanto a situações de morte e invalidez, por exemplo. No entanto, esses componentes não possuem valor nem próximo ao juros em relação às prestações do crédito. Nesse sentido, solicitar um financiamento de imóvel em nosso site pode ser uma boa ideia para adquirir a melhor taxa para você!

Veja Também