Saiba o que é composição de renda

A composição de renda pode fazer a diferença para o seu orçamento

Na hora de solicitar um financiamento, é obrigatório apresentar e comprovar algumas informações. Uma delas é em relação à comprovação de renda. A instituição financeira precisa saber se o comprador possui dinheiro para arcar com as dívidas.

Nesse sentido, a composição de renda familiar pode ser a solução. Em vez de contar com os ganhos de apenas uma pessoa, que podem não ser altos, é possível juntar rendimentos para que o crédito concedido seja maior. Dessa forma, também não será preciso fazer um empréstimo pessoal a juros mais caros para adquirir um imóvel. Saiba mais!

Como compor a renda familiar?

Em geral, os bancos já consideram a renda familiar bruta e não apenas a do solicitante. Se no imóvel forem morar três pessoas, sendo duas que trabalham, por exemplo, a capacidade total será formada pelo rendimento destas.

Para quem deseja aproveitar essa facilidade, é necessário a apresentação e comprovação de rendimentos de todos que forem integrá-la. Saiba mais sobre como comprovar a renda:

  • Carteira de Trabalho: a CTPS é obrigatória para quem trabalha fixo. No entanto, apenas isso pode não ser suficiente para a instituição financeira, que deverá, portanto, exigir outras certidões;
  • Holerite: é necessário apresentar os últimos três holerites no momento de financiar. Esse é um comprovante de renda mais específico que a carteira de trabalho, pois demonstra a média de ganhos do interessado;
  • Extrato bancários: assim como acontece com os holerites, alguns bancos aceitam os três últimos extratos como prova de que o cliente pode pagar o crédito;
  • Declaração de Imposto de Renda: essa também é uma forma bastante solicitada de comprovar os rendimentos. Por apresentar informações de um ano inteiro, a instituição pode ter uma visão mais ampla das condições financeiras do solicitante. Mas, por se tratar de dados não tão atualizados, é comum o pedido de mais documentos,
  • Decore: há situações em que o interessado não consegue provar os rendimentos tão facilmente, como é o caso dos profissionais autônomos. Para isso, é possível pedir para que um contador faça a Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos. Mas somente esse documento não é suficiente, IRPF e extratos provavelmente serão solicitados para garantir a renda informada no Decore.

Quem pode compor a renda

A renda familiar pode ser composta por casais oficialmente casados ou em união estável, pais e filhos, noivos e até mesmo entre amigos. Porém, nem todas as instituições aceitam todos esses tipos de relação entre os proponentes. Em virtude disso, é importante se informar sobre isso antecipadamente.

É válido notar ainda que o número de pessoas também é variável. Há bancos que permitem que até três indivíduos participem da composição de renda, enquanto outros aceitam apenas dois. A análise financeira familiar não é igual em todos os lugares.

Posso usar FGTS nesse caso?

Sim. Nesse caso, é possível utilizar o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) de um ou mais participantes da composição de renda. Utilizar esse recurso é uma ótima forma de aumentar o valor da entrada e, consequemente, o valor do financiamento. Também é possível usar o saldo para quitar as parcelas, e garantir mais tranquilidade ao orçamento.

Qual é o prazo para financiamento?

O prazo máximo para terminar o financiamento é definido pela idade do interessado. Mas, como isso funciona quando mais de uma pessoa solicita o crédito? Simples: os bancos consideram a idade de quem for mais velho.

Vamos supor que um filho de 35 anos queira comprar um imóvel com o pai que tem 60 anos. Nesse caso, o banco concederá um prazo menor de, no máximo, 20 anos. Isso ocorre porque há uma regra em que a idade do mutuário somada ao tempo de financiamento não pode ultrapassar 80 anos (80 - 60 = 20).

Vale a pena compor a renda?

Como já foi dito, a composição de renda é uma ótima maneira de conseguir mais crédito junto à instituição financeira. No entanto, é importante lembrar que todas as pessoas que estiverem inclusas no financiamento serão proprietárias do imóvel.

Desse modo, é fundamental avaliar o relacionamento com quem irá dividir as parcelas, e a responsabilidade pelo imóvel. Se houver duas pessoas disponíveis com quem você possa compor a renda e uma delas for mais nova, é preferível se juntar a ela. Assim, o prazo para quitar o débito poderá ser maior.

Cabe mencionar ainda que cada instituição possui uma política própria. Por isso, o banco pode aceitar ou rejeitar a composição familiar, assim como os documentos. Informar-se com antecedência e providenciar as certidões o quanto antes ajuda a evitar problemas futuros.

Posso transferir o imóvel para o meu nome depois?

Sim, é possível. Como vimos, quando a compra for efetuada por mais de uma pessoa, todas serão proprietárias do imóvel. Se depois alguém quiser arcar sozinho com as despesas e, portanto, se tornar o único proprietário, será necessário realizar alguns procedimentos.

Em primeiro lugar, o banco credor precisará analisar a sua situação financeira, para saber se você tem condições de pagar o crédito. Se a instituição der o aval, será necessário pagar o ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e fazer o registro dessa mudança no Cartório de Imóveis.

De toda forma, é importante pesquisar as regras bancárias sobre a composição da renda familiar, pois em cada instituição ela ocorre de um jeito. Na Melhor Taxa, você pode encontrar o financiamento ideal para a sua família. Faça uma simulação e entre em contato conosco para tirar as suas dúvidas!

Veja Também