Entenda mais sobre saldo devedor e sua correção

Possui dúvidas a respeito dos reajustes sobre o seu saldo devedor? A gente explica tudo

Para todo tipo de financiamento ligado a imóveis, há um restante a ser pago ao qual os bancos chamam de saldo devedor. Em relação a quitação dessa dívida, o cliente e a instituição financeira entram em um acordo de pagamento que seja justo para os dois lados.

 

Para entender melhor do que se trata o saldo devedor, confira o post da Melhor Taxa abaixo!

O que é o saldo devedor?

Ao zerar o saldo da conta de débito do banco, a instituição não realiza o bloqueio da mesma, permitindo que o usuário mantenha-se ativo. A dívida, no entanto, é contabilizada e o montante se torna um saldo devedor com a instituição financeira. Porém, esse tipo de débito pendente não acontece apenas nesse tipo de ocasião.

 

Em um financiamento imobiliário, é comum tratar o restante a ser pago como saldo devedor — cobrado em forma de prestações ao longo de todos os meses estabelecidos no contrato de empréstimo. Uma coisa importante a se saber é que, diferentemente de outros débitos pendentes, o valor a mais utilizado é reposto ao banco em forma de descontos na própria conta de débito.

 

Ou seja, assim que entrar dinheiro, a instituição logo desconta o que o cliente deve — o mesmo acontece em financiamentos, e, dependendo do tempo em que a conta se manter negativa, juros altíssimos podem ser cobrados. O que a pessoa pode fazer por livre e espontânea vontade é amortizar a dívida com o adiantamento de prestações.

Quais índices afetam esse saldo?

Tratando-se do saldo devedor do financiamento imobiliário, as construtoras utilizam índices de reajuste baseado na inflação do setor para corrigir o valor mensal das prestações. Com isso, é comum que, ao longo do processo de pagamento do imóvel, as parcelas possuam um valor diferente do inicialmente pago e acordado com a imobiliária.

A prática, no entanto, está nos conformes da lei — e, inclusive, previsto no contrato de compra do imóvel. Geralmente, é feita a correção pelo IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) e pelo INCC (Índice Nacional de Custo de Construção) — ambos medidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Os dois, porém, são usados em momentos diferentes: o segundo serve como base durante a construção do empreendimento, enquanto o IGP-M passa a valer quando a obra está finalizada e pronta para ser usufruída. Como sugere o nome, o INCC considera o aumento nos custos de construção, e, consequentemente, implementa a inflação na parcela do financiamento.

Para saber como calcular as prestações do financiamento quando o imóvel estiver pronto, o IGM-P deve ser considerado. Apurando a variação dos produtos semelhantes do mercado — sempre considerando a inflação —, o valor da prestação mudará de acordo com a situação apresentada pelo mesmo.

Quitando a dívida do financiamento

Para o pagamento da dívida total, todo saldo devedor de financiamento imobiliário está sob um sistema de amortização — seja ele o SAC (Sistema de Amortização Constante) ou a Tabela Price. No primeiro caso, a primeira parcela possui o valor mais alto e a última, o mais baixo — ou seja, o montante das prestações vão diminuindo conforme passa o tempo.

Já a Tabela Price não altera o valor da parcela — com exceção dos reajustes feitos pelo índice INCC e pelo IGP-M. É o mesmo montante do início ao fim do financiamento.

Por mais que, logo de cara, o proprietário do imóvel comece o processo de quitação pagamento um valor menor do que no caso do SAC, nesse sistema não há a sensação — totalmente psicológica — de estar pagamento menos pelo financiamento.

O valor total pago, no entanto, não muda de um sistema de amortização para o outro. Isso só será diferente caso algumas parcelas sejam quitadas com antecedência — dessa forma, evita-se uma possível alta na inflação dos meses em que elas seriam pagas.

Algumas recomendações para o proprietário

O financiamento de imóvel é um processo que precisará de paciência e conhecimento por parte do requerente. Por ser um empréstimo de alto valor, é importante que todos os detalhes do contrato sejam lidos, além de manter uma disciplina para pagá-lo todo mês sem falta — caso isso aconteça, as dívidas poderão se tornar uma bola de neve indesejável.

 

Quanto ao saldo devedor, tire todas as dúvidas antes de assinar o contrato. Com o valor das prestações sendo atualizado constantemente, planejar-se financeiramente é essencial para não se atolar em dívidas.

 

Inclusive, o que pode ajudar nesse caso é, antes de fechar um empréstimo com qualquer banco, procurar a melhor taxa do mercado — e nós fazemos isso para você! Após a nossa equipe realizar uma análise do formulário respondido pelo cliente, apresentamos as taxas mais vantajosas de acordo com as suas características. Entre no site e solicite um financiamento de imóvel!

 
Compartilhe
Veja Também