Amortização

A amortização de um financiamento pode te ajudar a reduzir o valor total de sua dívida e, até mesmo, a quantidade de parcelas

O financiamento de um novo imóvel costuma demorar, geralmente, mais de dez anos para ter todas as suas parcelas quitadas. Contudo, sabendo o que é amortização, esse prazo pode ser antecipado no decorrer do processo e, assim, será possível renegociar o pagamento da dívida.

Um dos principais motivos pelos quais as pessoas desejam diminuir o prazo de pagamento ou o valor de cada prestação é terem mais facilidades ao quitar o saldo devedor.

A função das amortizações no financiamento imobiliário

Basicamente, existem duas formas de amortização: aquela que reduz a quantidade de parcelas, mantendo o valor de cada uma; e o capaz de diminuir o valor de cada prestação e mantém sua quantidade. Cabe à pessoa verificar qual modelo melhor se adequa às suas necessidades em determinado momento.

Caso tenha uma reserva financeira aplicada, uma dica é usá-la para quitar algumas parcelas do financiamento de uma só vez. Dessa forma, o saldo devedor diminui e, consequentemente, a quantidade de prestações a serem quitadas com acréscimo de juros também.

Contudo, antes de amortizar qualquer financiamento, é essencial verificar como ficará sua dívida após parte de seu pagamento ser adiantado. Aqui, na Melhortaxa, por exemplo, é possível fazer essa simulação gratuita e ainda entrar em contato com nossos especialistas para orientar sobre as melhores formas de fazer esse processo.

Além disso, durante a contratação de um financiamento, você pode escolher a maneira mais adequada ao seu perfil para quitar as dívidas. Basicamente, os sistemas SAC e Price e Sacre permitem com que seja pago inicialmente prestações com mais ou menos juros, respectivamente.

Vantagens de amortizar o saldo devedor

A principal vantagem de fazer uma amortização está diretamente relacionada com a diminuição do saldo devedor. Por exemplo: caso o montante a ser pago seja de R$ 240 mil em 120 meses, e você deu R$ 40 mil de uma só vez, automaticamente esse valor cai para R$ 200 mil.

Nesse caso, o novo saldo devedor pode levar o cliente a optar por duas soluções:

  • reduzir o valor de cada prestação: se antes eram 120 prestações de R$ 2 mil cada, agora passam a ser de R$ 1.666,67,
  • reduzir a quantidade de prestações mantendo o mesmo valor: se eram 120 parcelas de R$ 2 mil, agora são apenas 100 mensalidades.

Outro benefício diz respeito ao seguro por invalidez ou morte permanente (MIP). Como o saldo devedor sofreu uma redução, a quantia a ser paga desse tributo também diminui de acordo com o quanto foi amortizado.

É possível usar o FGTS nesse processo?

O FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) é uma excelente maneira de amortizar seu financiamento sem precisar fazer uso de suas aplicações de renda fixa ou variável. No entanto, esse benefício só pode ser usado a cada dois anos para essa função.

Hoje em dia, o Fundo de Garantia costuma ter um rendimento inferior ao das cadernetas de poupança — que também possuem pouca rentabilidade com menos de 5% a.a. Por esse motivo, as pessoas dão preferência por utilizar esse recurso trabalhista em amortizações ou pagamento de quaisquer dívidas.

Voltando ao exemplo do tópico acima, caso seu FGTS disponível seja de R$ 10 mil, 5 parcelas de R$ 2 mil cada podem ser quitadas de uma só vez. Contudo, fica a dica: quanto mais prestações conseguir quitar com esse recurso, melhor, pois o mesmo, cabe lembrar, só pode ser usado bienalmente.

Veja Também