O passo a passo sobre como refinanciar um imóvel

Contratando os serviços da Melhortaxa, oferecemos total assistência desde a análise de crédito até a contratação dos serviços

O refinanciamento imobiliário é, sem dúvidas, a melhor opção de crédito para você que deseja quitar suas dívidas ou investir em um novo projeto. Isso porque seus juros são os menores do mercado e é possível obter um maior volume de crédito em relação aos empréstimos pessoais.

Existem diversas dúvidas sobre como refinanciar um imóvel e usá-lo como garantia enquanto você paga as prestações da dívida. Por isso, preparamos uma lista com o passo a passo desse processo e os motivos pelos quais a Melhortaxa pode te ajudar a contratar o crédito com os juros mais baixos!

1- Fazer um cadastro na Melhortaxa

Antes de mais nada, recomendamos você fazer um cadastro no site da Melhortaxa e contar com a ajuda de nossa equipe durante a contratação do crédito. Ao analisarmos seu perfil, comparamos os juros das maiores instituições do país e verificamos quais atendem melhor seu perfil e oferecem as melhores condições.

Uma das grandes vantagens do refinanciamento é que o solicitante pode continuar morando no imóvel, mesmo estando atrelado a uma alienação fiduciária. Com isso, esse processo se torna mais atrativo em relação às famosas hipotecas, consideradas burocráticas e mais perigosas ao cliente.

Geralmente, os juros cobrados pelo refinanciamento ficam na casa de 1,15% a.m. ou 14% a.a. Se comparado aos empréstimos pessoais, esses valores são mais baixos e vantajosos. Além disso, é possível pagar as parcelas do crédito em até 240 meses — 20 anos — e, assim, obter mais facilidades.

Imagine a seguinte situação: o imóvel a ser dado como garantia está avaliado em R$ 700 mil, logo será possível receber de crédito até 50% do seu valor total (R$ 350 mil). Tal número é superior a qualquer montante recebido via outro tipo de empréstimo, deixando-o ainda mais vantajoso.

2- Faça a solicitação

Escolhida a instituição com a ajuda da Melhortaxa, as próximas etapas do refinanciamento imobiliário consiste em verificar se a propriedade está com a escritura em seu nome. Nesse caso, tanto propriedades residenciais, quanto comerciais podem ser usadas e o contrato envolvendo os trâmites do processo ficam registrados no cartório.

De modo geral, ao fazer a solicitação do crédito, as instituições fornecem formulários a serem preenchidos on-line com todos os seus dados. Ainda, é preciso ter em mãos um conjunto de documentos tanto pessoais, quanto do imóvel, são eles:

  • RG e CPF;
  • certidão de nascimento (aos solteiros) e de casamento (aos casados com ou sem comunhão total/parcial de bens, ou em regime de separação);
  • comprovante de residência;
  • certidão negativa de débito condominial no caso de apartamentos;
  • cópia do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) com dados sobre a metragem do bem,
  • matrícula da propriedade regularizada em cartório.

3- Análise de crédito

Nesta segunda etapa, é feita a análise de crédito do refinanciamento, contratado com os menores juros do mercado. Nesse caso, a credora irá avaliar sua situação financeira, bem como a renda mensal. Dessa forma, fica mais fácil saber o quanto de crédito poderá lhe ser concedido, sem comprometer seu orçamento e provocar a criação de novas dívidas.

Um detalhe importante diz respeito ao valor de cada parcela a ser paga do refinanciamento. Nesse caso, o ideal é não comprometer mais de 30% do seu orçamento. Por exemplo: se sua renda mensal for de R$ 6 mil, cada prestação deve valer, no máximo, R$ 1,8 mil.

4- Avaliação jurídica e da propriedade

Após o crédito passar por uma prévia avaliação e ter sido aprovado, será feita uma análise jurídica do refinanciamento imobiliário com a propriedade. Dessa forma, verifica-se se ela está regularmente matriculada com a checagem de todos os documentos e, assim, poder ser refinanciada.

5- Assinatura do contrato

Por fim, chegou o momento de assinar o contrato de refinanciamento e, assim, receber o valor concedido pela instituição diretamente em sua conta corrente. Após a verificação da renda, do imóvel e documentação, é emitido o CCB (Cédula de Crédito Bancário) a ser assinado pelo cliente.

Feito isso, o refinanciamento se torna válido e o cliente já começa a pagar sua primeira parcela no mês seguinte. Por ser um processo 100% seguro, em caso de atraso na quitação das prestações, é possível fazer uma negociação com o credor e, apenas em última instância, o bem será leiloado.

Já sabe como refinanciar um imóvel e porque esse tipo de crédito é mais vantajoso? Então não deixe de se cadastrar na Melhortaxa e fazer uma análise gratuita sobre quais os menores juros do mercado de acordo com seu perfil. Nossa equipe estará sempre pronta para lhe oferecer a melhor assistência!

Veja Também