Como declarar a reforma do imóvel no Imposto de Renda

Declaração inclui despesas com materiais e profissionais

Anualmente, os brasileiros têm uma série de dúvidas com relação ao IR. Uma delas é sobre como declarar a reforma do imóvel no imposto de renda. Sim, as mudanças e benfeitorias na propriedade devem ser comprovadas para a Receita Federal — e há até uma vantagem nisso.

Como não é possível atualizar o valor do imóvel — por causa da inflação por exemplo — declarar pode ajudar a economizar futuramente. Isso acontece porque, se a propriedade for vendida, o lucro obtido com a venda poderá ser grande, gerando uma alta tributação.

Por outro lado, ao reformar o bem, o indivíduo está diminuindo a diferença entre o preço que comprou e o quanto pretende vender. Desse modo, a Receita Federal enxerga que houve um lucro menor e o imposto de 15% fica menor.

Como declarar a reforma do imóvel

A Receita Federal permite ao contribuinte acrescentar ao preço do imóvel declarado os gastos tidos com construção, ampliação e pequenos reparos. É possível declarar, por exemplo, reparos em azulejos, pinturas, troca de encanamento e pisos.

Com relação a esses aspectos, o indivíduo pode colocar na declaração as despesas com os materiais e a mão de obra. Também é possível declarar instalação de iluminação embutida e móveis planejados.

No entanto, troca do mobiliário e decoração não entram para a declaração. Até porque, quando o imóvel for vendido, esses itens não serão mantidos na casa. O mesmo vale para profissionais contratados para tratar de aspectos variáveis, como arquiteto designer de interiores.

?

Imóvel comprado após 1988

Caso o imóvel tenha sido adquirido depois de 1988 e já esteja completamente quitado, ele será adicionado ao valor do bem. Para isso, o contribuinte deve ir na ficha “bens e direitos” e colocar o código 11 para apartamento ou 12 para casa. Se a propriedade estiver sendo financiada, então, o comprador acrescentará ao custo o valor já pago. Nas duas situações, o contribuinte deve adicionar esse tipo de informação no campo “discriminação”, incluindo também a data da obra.

Imóvel comprado até 1988

Para quem comprou o imóvel até 1988, o preenchimento é feito de maneira diferente. Nesses casos, os custos das reformas e ajustes são inseridos na ficha “bens e direitos”, mas com o código 17 - benfeitorias. No campo “discriminação”, é necessário descrever o imóvel em que foram feitas as melhorias. Além disso, o contribuinte também deve colocar o quanto foi gasto no total. Independentemente se a compra foi feita antes ou depois de 1988, os custos com as benfeitorias ajudam a agregar valor ao imóvel. Portanto, em uma hipotética situação de venda, o proprietário irá pagar menos imposto.

Construção de casa

Quem tinha um terreno em 2018 e aproveitou para construir uma casa deve declarar isso. Essa informação também é declarada em “bens e direitos”, mas com os códigos 13 - terreno e 12 - casa. Na coluna “31/12/2017”, o contribuinte deve colocar o valor de R$ 0,00 e em “31/12/2018” é necessário inserir o preço do terreno e da reforma.

Se a obra foi começada, mas não concluída até o fim de 2018, o contribuinte só irá preencher o código 13 - terreno. Nesse caso, os valores já gastos serão incorporados ao valor do lote.

Despesas precisam de comprovadas

Não basta colocar que houve uma reforma no imóvel, sem apresentar qualquer tipo de comprovante. Isso não irá agregar valor à propriedade.

Portanto, é necessário que o contribuinte guarde todas as notas fiscais e recebidos. É possível produzir o próprio recebido, desde que isso inclua o máximo de informações, como nome do profissional envolvido, descrição do serviço, período em que foi realizado e CPF.

Em caso de recebido feito pelo contribuinte, é necessário solicitar a assinatura do profissional e cópias dos documentos pessoais. Se o terreno tiver sido ampliado, é necessário apresentar a declaração que o projeto foi aprovado pela prefeitura.

Dinheiro para reforma

Para quem está pensando em reformar a residência, mas não tem dinheiro disponível, uma alternativa é optar pelo refinanciamento imobiliário. Isso consiste em um tipo de empréstimo com garantia, o que faz o crédito ser bem mais barato do que outros.

No refinanciamento imobiliário, o interessado pode obter até 60% do valor do imóvel. Como os imóveis costumam ter um preço elevado, esse montante pode fazer a diferença para quem deseja reformar ou construir uma segunda casa.

O empréstimo com imóvel de garantia pode até ser solicitado por quem está financiando um imóvel. Mas nesse caso, as instituições exigem que ao menos 50% da propriedade tenha sido paga.

Além dessas vantagens, o indivíduo ainda tem um longo prazo para pagar o crédito. Os bancos dão, em média, até 20 anos para quitar a dívida.

Agora que você já sabe como declarar reforma do imóvel no imposto de renda, que tal começar a planejar a sua? Na Melhortaxa, você pode simular as taxas de refinanciamento em diferentes instituições e escolher a que mais se adequa. Aproveite já!

Veja Também