Cotação de seguro residencial: o que considerar?

Fique por dentro de quais coberturas será preciso contratar de acordo com as características do seu imóvel

Fazer uma cotação de seguro residencial junto com a contratação do financiamento imobiliário é muito importante em nome de uma maior segurança ao seu novo imóvel. Como se sabe, as seguradoras disponibilizam diversos tipos de coberturas, adequadas às necessidades de cada cliente.

Por esse motivo, é importante verificar quais pontos devem ser levados em consideração antes de contratar um seguro de casa. Por exemplo: se sua residência está em uma região sem risco de terremotos ou vulcões, não há porque fazer uma apólice capaz de cobrir tais danos, certo?

?

1- Conheça suas verdadeiras necessidades

É possível personalizar quais pontos devem ser atendidos por uma apólice de seguro residencial de acordo com suas necessidades. Dessa forma, evita-se o pagamento de coberturas julgadas desnecessárias, levando em consideração fatores como localização, riscos de tragédias naturais, etc.

Imagine a seguinte situação: seu imóvel está localizado na parte alta de um bairro, onde não existe probabilidade de ocorrer enchentes. Logo, o item “alagamentos e inundações” pode ser retirado da apólice, barateando seu custo ou, simplesmente, dando lugar a algo julgado mais útil.

Desde coberturas contra incêndios e queda de raios até itens banais, como perda de chave, as apólices cobrem quaisquer danos ou imprevistos sujeitos a acontecer. As principais, você confere a seguir:

  • incêndios: no caso, a pessoa recebe uma indenização por todos os danos causados pelo fogo dentro do imóvel. Mas lembre-se: incêndios de caráter doloso - ocorridos propositalmente por alguém - não entram na apólice;
  • queda de raio: mesmo muitas residenciais contando com para-raios, caso um deles caia no quintal ou outro ambiente externo de sua casa, você estará segurado;
  • roubos e furtos qualificados: caso sua residência seja vítima de roubo ou furto, o valor de todos os itens desaparecidos será devolvido ao morador. Isso inclui, até mesmo, vidros quebrados ou portas arrombadas na tentativa dos assaltantes invadirem a residência;
  • responsabilidade civil familiar: animais de estimação podem acabar causando alguns danos ao mobiliário da sua casa, por exemplo. Por isso, é sempre bom contar com este tipo de cobertura;
  • chaveiro: pode parecer incrível, mas existe seguro capaz de cobrir possíveis perdas de chaves. Afinal, quem nunca perdeu na rua ou esqueceu elas em algum lugar?,
  • alagamentos: se você mora em regiões onde enchentes costumam castigar sua casa, é muito importante contratar este seguro imobiliário. Nesse caso, também podem ser levados em consideração fatores como vazamentos, encanamentos furados e canalizações.

2- Procure ler a apólice antes de assiná-la

Durante a contratação da apólice, não assine nada sem antes ler atentamente todas as cláusulas a fim de verificar se todos os serviços solicitados estão inclusos. Dessa forma, caso ocorra um imprevisto, você não será pego de surpresa caso a seguradora se recuse a cobrir os danos.

Outras informações como dados pessoais, endereço da residência, condições de pagamento e data de validade da apólice também deverão ser conferidas.

3- Combine coberturas básicas com as demais

Na apólice de seguro, existem as chamadas coberturas básicas em que estão inclusas proteção contra incêndio, quedas de raios, dentre outras. Porém, levando em conta algumas já citadas acima, as adicionais também precisam ser contratadas dependendo das características do seu imóvel.

Um exemplo disso são as coberturas contra roubos e furtos. Caso sua residência esteja localizada em um bairro cuja fama não é muito boa quanto à segurança, é importante contratar este serviço. Assim, caso aconteça algum assalto, será possível receber uma indenização cujo valor pode ser de até o limite da apólice.

Quanto maior o número de coberturas adicionais, mais caro será o valor a ser pago pelo cliente. Mas mesmo assim, pelo tanto de itens que estarão protegidos e, até mesmo, pelo preço, o seguro residencial possui uma melhor relação custo-benefício em relação ao de um veículo, por exemplo.

4- Entenda como calcular o valor da apólice

Antes de mais nada, a cotação de seguro residencial não leva em consideração o valor de compra e venda do imóvel. Em outras palavras, um apartamento de R$ 900 mil e outro de R$ 500 mil terão mesmo preço de apólice caso todas as coberturas sejam iguais.

Nos casos de incêndios ou perda total de uma propriedade, o cliente precisa levar em consideração o quanto será gasto com sua reconstrução. Isso inclui informações sobre a metragem do imóvel, custos de mão de obra e materiais de construção.

Já em situações envolvendo roubos e furtos, é preciso fazer uma estimativa de quanto valem seus bens e, somado ao item acima, verificar qual valor de apólice é mais adequado.

Quer saber quais coberturas de seguro melhor atende suas necessidades? Conte com a ajuda da Melhortaxa! Juntamente com a contratação de um financiamento, nossos especialistas irão fornecer todas as orientações necessárias para você contratar um seguro residencial. Cadastre-se já em nosso site!

Veja Também