Como funcionam os lances de consórcio imobiliário?

Existem três tipos de lances a serem dados em um consórcio. Verifique qual é o melhor para você e tenha sua carta contemplada mais rápido

Uma dúvida muito comum entre quem adquire uma carta de crédito, diz respeito a como funcionam os lances de consórcio imobiliário. Basicamente, eles ocorrem todo mês junto ao sorteio e o único requisito para participar de ambos é estar com o pagamento das parcelas em dia.

A periodicidade dos lances de um consórcio, no entanto, varia de acordo com a administradora contratada. Neste post, vamos falar um pouco sobre as formas de contemplação deste tipo de crédito e algumas normas de uso do FGTS ao fazer uma oferta!

Sorteios e lances: duas formas de contemplação

Existem duas maneiras de ter um consórcio imobiliário contemplado: sorteios e lances. Ambos possuem suas vantagens e algumas características semelhantes, mas enquanto um depende de sorte, o outro dependerá apenas de quanto será ofertado na assembleia.

No caso do sorteio, eles são realizados mensalmente e cada participante pode receber dois números referentes ao grupo e a cota, respectivamente. A partir daí, são colocados em um globo uma quantidade de bolinhas suficientes para sortear quem será contemplado.

Contudo, para o sorteio acontecer, a administradora precisa ter naquela data o dinheiro necessário para poder contemplar um participante com o montante exato da carta de crédito. Se isso não for possível, irão ocorrer apenas os lances.

Agora, a oferta de lances ocorre, normalmente, antes do sorteio e será contemplado quem oferecer o maior volume de crédito na assembleia. Uma dica ao participar dessa forma de premiação, é economizar um pouco de dinheiro todo mês e poder oferecer um volume generoso de dinheiro, aumentando suas chances.

Os tipos de lances existentes no consórcio

Fixo, livre e embutido: estes são os três principais tipos de lances usados no Brasil em assembleias capazes de contemplar alguém com a carta de crédito. Cada um possui suas características e cabe a você decidir por qual modalidade optar ao ofertar uma proposta.

Lance fixo

Ao ofertar um lance fixo, a porcentagem da carta de crédito a ser ofertada deve ser definida por todos os membros do grupo. Caso algum deles não tenha o montante em mãos, ele não participa da assembleia naquele mês, mas os demais continuam concorrendo normal.

Normalmente, o lance fixo ofertado fica entre 25% e 50% do total da carta de crédito. Contudo, como todos os membros irão ofertar a mesma porcentagem, a administradora irá fazer com sorteio a fim de verificar quem será o consórcio contemplado ou adotar outro critério de desempate.

Lance livre

O lance livre é um dos mais comuns no Brasil e está presente na maioria das assembleias. Nele, o interessado precisa informar com antecedência qual oferta pretende fazer no dia do sorteio, não havendo uma porcentagem mínima ou máxima a ser dada na maioria das situações.

Muitas vezes, neste tipo de lance, a pessoa irá ofertar uma quantia referente a antecipação do pagamento de algumas prestações futuras. Por exemplo: se o valor pago por mês é de R$ 3 mil, você oferece um lance de R$ 45 mil — referente a 15 parcelas.

Lance embutido

Por fim, o lance embutido está diretamente relacionado com o valor total da carta de crédito a ser contemplada. Isso, porque o montante a ser dado como oferta corresponde a parte do dinheiro a ser recebido com a premiação.

Explicando melhor como funciona o lance embutido, considere a seguinte situação:

  • uma carta de crédito possui o valor de R$ 800 mil e, quando contemplada, na teoria, a pessoa irá ser premiada com este total;
  • todavia, ao optar por fazer um lance embutido, foi usado R$ 240 mil (30%) do valor total,
  • por esse motivo, caso a carta seja contemplada, o ganhador só irá receber R$ 560 mil — diferença entre o total e o lance embutido ofertado.

O uso do FGTS ao ofertar lances

Assim como no financiamento, o FGTS pode ser usado para ofertar um lance no consórcio imobiliário ou amortizar o restante das parcelas antes e depois da contemplação. A única limitação é o valor do imóvel que deve ser inferior a R$ 1,5 milhão e mais algumas normas, como:

  • a pessoa não pode ter nenhum financiamento via SFH (Sistema Financeiro de Habitação) ativo no país;
  • além de ter registro em carteira por, pelo menos, três anos não-consecutivos, a conta do FGTS precisa estar no nome do consorciado;
  • o interessado não pode ter nenhum imóvel registrado em seu nome na mesma cidade onde mora e trabalha,
  • se a carta de crédito for usada para quitar um financiamento imobiliário, adquirir uma propriedade comercial ou reformar a residência atual, não será possível usar o FGTS.

Sabendo como funciona os lances de consórcio, fica muito mais fácil entender como ter uma carta contemplada. Ficou interessado em se tornar um consorciado? Cadastre-se no site da Melhortaxa e receba toda nossa assistência na escolha do melhor crédito de acordo com seu perfil.

Veja Também