O custo com mão de obra é responsável por boa parte do total dispendido em uma obra. É uma proporção justificada. Afinal, pouco adianta ter um belo projeto e materiais de qualidade se os responsáveis pela execução da obra forem descuidados. A qualidade do produto final depende, em última medida, da especialização dos mestres de obras, pedreiros e ajudantes.

Como contratar esses profissionais? Embora parte desse mercado ainda funcione na base da indicação boca a boca, contratos verbais e aprendizado na prática, é cada vez maior o número de pedreiros que busca a profissionalização – fato visto, inclusive, entre aqueles que trabalham como autônomos. Além disso, a prática de assinar contratos ganhou terreno, e alguns possuem micro-empresas e emitem nota fiscal. Essa evolução do mercado ajuda a contratação, mas ainda assim é preciso levar em conta as especificidades do serviço para fechar um bom negócio. Confira cinco dicas para te ajudar nesse processo.

1) Pesquise preços e profissionais. Tudo começa com uma boa pesquisa. Dos preços cobrados e dos profissionais disponíveis. Peça indicações a amigos, pessoas do bairro, e, sobretudo, imobiliárias, arquitetos e engenheiros. Quem trabalha com imóveis e construção costuma ter uma boa rede de contatos profissionais e sabe indicar alguns nomes. Pegue o contato dos profissionais disponíveis na sua área e no período em que a obra será realizada.

Vá em busca também da média de preços praticada na sua região ou para o tipo de obra que será realizada. Vale conversar com profissionais ou procurar tabelas em jornais, publicações especializadas e institutos de pesquisa. Isso faz com que, na etapa seguinte, você não seja pego de surpresa e saiba dimensionar se o preço dado pelo pedreiro está ou não na média.

2) Peça orçamentos. Escolha três ou quatro profissionais e peça orçamentos. O ideal é que eles confiram pessoalmente o imóvel, os materiais e o que deve ser feito. O orçamento, mesmo que verbal, precisa ser o mais claro possível. Se não entender o preço de algum serviço peça esclarecimentos.

3) Estabeleça um regime de cobrança. Preço por jornada ou por metro quadrado? Existe mais de uma maneira de precificar os serviços de um pedreiro, e nem todos cobram da mesma maneira. Tenha isso em mente na hora de comparar os preços. Lembre-se, também, que diferentes serviços exigem mais ou menos cuidado, e que por isso podem custar mais. É o caso, por exemplo, de aplicar um revestimento delicado, como o porcelanato, ou de passar gesso nas paredes. Vale lembrar que alguns pedreiros são especializados em serviços de maior complexidade, o que valoriza a mão de obra e encarece o custo do trabalho.

4) Busque indicações. Localize antigos chefes dos pedreiros e faça a eles algumas perguntas sobre a qualidade do serviço prestado e quesitos como pontualidade, rigor e postura no local de trabalho. Também procure saber se o pedreiro tem algum curso de especialização ou certificados.

5) Faça um contrato e emita recibos. Escolhido o pedreiro, faça o contrato – mesmo que ele seja Pessoa Física. O documento deve detalhar a obra, o serviço a ser feito, materiais utilizados, prazos e valores cobrados. É importante que os dois lados leiam o contrato. A ajuda de um profissional do mundo jurídico pode ser requerida.

Sejam os pagamentos feitos de forma parcelada ou de uma única vez, é importante emitir recibos, indicando a qual etapa da obra o pagamento corresponde, datas e valores.