5 dicas para a sua organização financeira de 2019

Comece o ano cuidando melhor do seu dinheiro

Fazer a organização financeira não é fácil. Por esse motivo, muitos deixam para amanhã. Porém, uma hora o futuro chega. Então, se você está determinado a mudar, não deixe para depois. Aproveite que o ano está só começando e se organize financeiramente. Dessa forma, você evitará de passar apertos nos próximos meses e até poderá juntar dinheiro para realizar algum planos. Confira dicas para colocar em prática a organização financeira!

?

1- Resolva as suas dívidas

O primeiro passo para quem deseja se planejar financeiramente, sem dúvida, é quitar o que deve. Como os juros não param de correr, quanto mais uma pessoa demora para pagar as dívidas, mais dificuldade terá.

Para quem já está com uma dívida cara, há três alternativas principais. A mais óbvia é tentar fazer a renegociação no próprio banco em que possui o débito. Se não der certo, você pode buscar a portabilidade de crédito.

É possível ainda solicitar um empréstimo mais barato para quitar a contar mais cara de uma vez. Nesse caso, o consumidor está “trocando” os juros mais caros pelos mais baratos, como ocorre no refinanciamento imobiliário. Essa modalidade de crédito permite obter um montante colocando o imóvel em garantia.

Mitos e verdades sobre dívidas e empréstimos

Muitas pessoas deixam de prestar atenção às dívidas e empréstimos por acreditar em alguns mitos. Por exemplo: há quem deixe de pagar o débito, que já está no Serasa, porque depois de cinco anos esse registro caduca. Não é bem assim. Após esse período, a conta deixa de aparecer nos registros do órgão de crédito, porém, o débito permanece em aberto — e as consequências disso também se mantém.

Além desse mito, é importante saber que atrasar o pagamento em alguns dias não deixa ninguém negativado, pois não é automático. As empresas começam a negativar a partir de 15 dias. Mesmo assim, pagar atrasado pode prejudicar o Score do consumidor, uma ferramenta do Serasa que ajuda os credores a concederem crédito.

2- Utilize um planejador

O melhor jeito de saber onde e como economizar é enxergando as entradas e saídas de dinheiro. Obviamente que fazer isso apenas com papel e caneta é trabalhoso.

Para fazer neste momento, utilize uma planilha ou aplicativo para a organização financeira. Nesse último caso, a ferramenta é desenvolvida com exclusividade para controlar gastos e, por isso, é tão simples de ser usada.

Observe que grande parte dos seus gastos podem ser “pequenos”, mas que somados fazem muita diferença no orçamento. A partir disso, corte tudo o que não usa ou não precisa com frequência, como canal de televisão por assinatura e jantares frequentes.

3- Faça uma reserva de emergência

Quando começar a se organizar financeiramente, você vai começar a ver que o dinheiro pode sobrar. Antes de sair gastando esse montante ou até fazer algum plano com ele, faça uma reserva de emergência.

De acordo com dados da Ambima, 52% dos brasileiros não têm qualquer reserva financeira. A pesquisa foi realizada com pessoas das classes A, B e C, em todo o país. O resultado revela que, apesar de muitos saberem o quanto é importante economizar, a maioria ainda não se antecipa financeiramente aos acontecimentos.

Por esse motivo, muitos brasileiros se endividam. Quando chega um gasto inesperado, como um problema de saúde ou uma mudança de residência, é necessário usar além do que pode para pagar as despesas.

Estude o mercado

Invista em conhecimento técnico sobre o mercado financeiro e os investimentos. Comece a estar atento a tudo o que acontece no aspecto econômico. Dessa forma, você não precisará depender apenas do gerente para fazer as suas escolhas e terá muito mais confiança nas decisões.

Cabe destacar que estudar o mercado não significa fazer um curso superior na área. Há diversos vídeos e conteúdos disponíveis na internet para quem deseja se inteirar do assunto e ter mais domínio do próprio dinheiro.

Invista

Além de deixar de gastar com supérfluos, é importante fazer o dinheiro que sobra render. Para isso, existem uma série de investimentos de baixo a alto risco que são muito mais rentáveis do que a poupança.

Para quem não abre mão da renda fixa, por exemplo, é possível fazer aplicações no Tesouro Direto e nos CDBs. Se você puder e quiser se arriscar mais, há ainda a possibilidade de investir em ações da Bolsa, sem precisar da ajuda de ninguém — desde que conheça o mercado.

Conclusão

Como visto, é possível fazer a reorganização financeira pessoal por conta própria. Para isso, é importante que você tenha paciência, atenção e disciplina. No começo, talvez só seja viável economizar R$ 70. Aos poucos, porém, esse valor pode aumentar e render ainda mais em uma aplicação.

Se você possui dívidas em aberto, busque alguma alternativa, como um refinanciamento imobiliário, para resolver essa questão. A partir disso, você poderá fazer a organização financeira de maneira mais efetiva. Para encontrar o melhor crédito, conte com a Melhortaxa!

Veja Também